terça-feira, 28 de abril de 2015

Osteoporose

DEFINIÇÃO

É uma Doença Osteometabólica, caracterizada por diminuição progressiva da massa óssea, com modificações na arquitetura trabecular, levando à diminuição da resistência óssea e a um maior risco de fraturas, em presença de traumas de baixa energia ou menor impacto. 


A fratura de femur é a consequência mais temida da osteoporose. Cerca de 15% a 20% dos pacientes com fratura de quadril morrem devido à fratura ou suas complicações durante a cirurgia, ou mais tarde por embolia ou problemas cardiopulmonares.  

Duas são as formas clássicas de Osteoporose: a fisiológica ou primária e outra, secundária, geralmente causada por outras doenças. 

A forma primária da osteoporose classifica-se em:
  • Tipo I : de alta reabsorção óssea, decorrente de uma atividade osteoclástica acelerada - a osteoporose pós menopausa, geralmente apresentada por mulheres mais jovens, a partir dos 50 anos.
  • Tipo II : de reabsorção óssea normal ou ligeiramente aumentada, associada a uma atividade osteoblástica diminuída, com formação óssea diminuída - a osteoporose senil ou de involução, mais frequente nas mulheres mais idosas, a partir dos 70 anos, e também no homem.
    A forma secundária está associada a uma grande variedade de condições mórbidas primárias, que acarretam, em sua evolução, distúrbios na absorção intestinal de cálcio, diminuição precoce nos níveis de estrogeno (hipoestrogenismo), perda de massa muscular, diminuição da atividade do sistema enzimático citocromo P450, baixa absorção e metabolização da vitamina D. 

    CAUSAS
     
    • Enfermidades do sistema endócrino (tireoidopatias, hipogonadismo, hipopituitarismo, síndrome de Cushing, diabetes, hiperparatireoidismo), 
    • Câncer (metástases, mieloma múltiplo), 
    • Ingestão de alguns medicamentos (heparina, corticosteróides, retinóides, extratos tireoideanos, lítio, cádmio, metotrexate, hidantoinatos e gardenal),
    • Baixa ingestão de cálcio. 

    Em qualquer dessas formas, a osteoporose cursa assintomática por longos períodos. 

    As primeiras manifestações clínicas ocorrem quando já houve perda de 30% a 40% da massa óssea. 

    Com o aumento da expectativa de vida, o número de idosos vem aumentando em todas as regiões geográficas e, com isso, também a prevalência da osteoporose. Esta, por sua vez, em função, principalmente das fraturas de fêmur e vértebra, diminui criticamente a qualidade de vida, principalmente na mulher, na terceira idade. 

    No homem, a perda de massa óssea é mais lenta que na mulher, sendo que a osteoporose primária manifestar-se-á, via de regra, somente após os 70 anos. 

    FATORES DE RISCO

     – Sexo feminino
    – Baixa estatura e baixo peso.
    – História familiar positiva.
    – Menopausa
    – Sedentarismo.
    – Baixa exposição solar
    – Baixa ingestão de cálcio e vitamina D.
    – Tabagismo
    – Consumo de bebidas alcoólicas .

    SINAIS E SINTOMAS

    A osteoporose é uma doença silenciosa, que dificilmente dá qualquer tipo de sintoma e se expressa por fraturas com pouco ou nenhum trauma, mais frequentemente no punho, fêmur, colo de fêmur e coluna. Outros sintomas que podem surgir com o avanço da doença são:



    • Dor ou sensibilidade óssea
    • Diminuição de estatura com o passar do tempo
    • Dor na região lombar devido a fraturas dos ossos da coluna vertebral
    • Dor no pescoço devido a fraturas dos ossos da coluna vertebral
    • Postura encurvada ou cifótica.

    DIAGNÓSTICO

    Segundo a OMS a densitometria óssea deve ser realizada em todas as mulheres acima de 65 anos ou naquelas em pós-menopausa que apresentem fatores de risco para osteoporose.
    1. Densidade óssea normal = T-score entre 0 e -1
    2. Osteopenia = T-score entre -1 e -2,5
    3. Osteoporose = T-score menor que -2,5

    PREVENÇÃO

    - Dieta rica em Cálcio e vitamina D
    -Exposição solar ( com moderação)
    - Atividade física

Nenhum comentário:

Postar um comentário