quinta-feira, 15 de março de 2012

Poesia


ah!Malvado espelho 
instantâneo retratista,
queria, mas não posso,
fugir da tua vista.

 Cruel nas tuas marcas,
delas não posso fugir.
Aceito todas elas,
São as marcas que vivi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário